jc
Cidade

E A RODA DA IDIOTIA CONTINUA GIRANDO

Sobre os projetos na orla

12/09/2019 10h12
Por: Fernando Gadret
Fonte: Tao Golin
281

O projeto para instalar um parque com roda-gigante na orla, praticamente dentro do Guaíba, é a maior estupidez dos últimos tempos. Viola o conceito de que a paisagem é um patrimônio cultural.
Para quem acha os termos idiotia e estupidez muito fortes, pode-se amenizar que é “pouco inteligente”. A novidade está sendo anunciada que "terá no mínimo 80 metros de altura" e “vai invadir o Guaíba”.
A pretensão é instalá-la no único espaço com enseada de relativa profundidade (de fácil dragagem), sem pedra, abrigada e com um molhe construído no passado, que auxilia no uso náutico do Guaíba. Justamente para aquele espaço existe um projeto de Marina Pública, especialmente para veleiros, como existe em Lisboa, Barcelona, etc.
Interditar aquele lugar é retirar a sua vocação natural de capitalização simbólica e real do Guaíba, viola sua história e o conceito de paisagem como patrimônio cultural assegurado em lei. As autoridades (atendendo a especulação) só apresentam e viabilizam projetos "de terra", nada que faça daquela orla maravilhosa, a qual faz inveja ao mundo, o lugar do “universo das águas”. Estão embotadas por qualquer ideia extravagante, as quais continuam impedindo a democratização de acesso à água e potencialize a vocação náutica e sua história de trezentos anos.
E convenhamos, o Guaíba ficaria muito mais interessante com um espaço de marinharia, com trapiches e rampas de uso público, com barcos, escola de vela para crianças, etc. Seria uma faina que embelezaria o Guaíba e a cidade.
Um roda-gigante ali é um crime, pois viola o patrimônio da paisagem cultural, com sua historicidade e bem público.
Porto Alegre continua submetida a projetos esdrúxulos. Gradativamente continuam matando o Guaíba.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.